segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Analista

 Doutor, eu não tinha certeza se devia, mas vim... É que que tenho sentido uma coisa meio estranha, sei lá, como se estivessem puxando meu estômago em direção à boca e fica difícil respirar. Eu escondo (e muito bem) quando sinto isso. É uma mistura de enjôo com falta de ânimo... E dói, doutor! Em algum lugar perto do coração, sempre quando algo foge do que foi planejado. Até aí, ok, era ocasinal, eu sabia lidar quando acontecia e logo ficava bem. Mas tem ficado cada vez mais frequente, na presença de uma pessoa em específico.
 É um misto de raiva, tristeza e decepção, ás vezes dói até a cabeça, o enjôo não me deixa nem falar, o problema é que eu gostava muito de falar com essa pessoa, talvez até demais! E tem dado tudo errado, tenho agido ás avessas, demonstrando o que não sinto, disfarçando tudo com um sorriso. Como se estivesse bem... Mas não está bem, tudo está errado, nada encaixa e tenho medo! Medo de ser a qual enlouqueceu, quem está do avesso, quem espera tudo de quem não dará nada!
 Deve ser minha culpa (sempre é). A presunção tem me cegado, e sem minha verdade eu não sou nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também