quinta-feira, 22 de julho de 2010

As máscaras

De casa não saio
sem a minha em mãos.
Sem elas
todos nus estão.

Eu não vejo a sua.

Como irei te prezar,
se o que quero
tão fácil me dás?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também